sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Corram todos para as montanhas

...E termina mais um grande espetáculo de música no Brasil. Pela dimensão, até que as ocorrências do Rock in Rio foram poucas e de importância relevante. Batedores de carteira existem em qualquer lugar do mundo. É bonito ver que apesar da diversidade e de muitas caras estranhas, tatuadas e marcadas por piercings a paz prevaleceu. Acredito que seja o poder da música e uma adoração em comum por quem está no comando da plateia. Mas o Rock in Rio 2011 merece algumas observações. Ressalvo aqui que não há qualquer intenção de minimizar a presença dos artistas ou de macular a imagem de alguém. São apenas observações feitas durante os dias do festival. À elas:


Ivete Sangalo. Ah, Ivete! Essa aí é um eterno carnaval ambulante onde quer que vá e em qualquer época do ano. A baiana – e deve ser porque é baiana! – conseguiu imprimir sua voz grave no maior show de rock do mundo. Sim, Axé também é rock! Quem diz o contrário? Em 2013 há de se pensar na ampliação do conceito de ritmos, como: o que é Rock? Acredito que sertanejo universitário não caiba num palco do Rock in Rio! Mas, vai que...

Roberto Frejat todo formal e com uma cara lisa, não sei se devido a plástica ou algum outro tipo de intervenção estética, cantava como se estivesse no palco do saudoso Chope 10, na Avenida T-1, em Goiânia, conversando com a ‘plateia’ e pedindo que o ajudassem a cantar e agradecendo pela introdução de ‘Malandragem’, feita pelo filho dele na guitarra. É, rock’n roll também tem nepotismo. Bem diferente da porra-louquice da década de 1980, Frejat se apresentou todo social, de camisa e blazer escuros, desejando “luz e amor” para todos. Acho que subestimou o público do Rock In Rio, que não levou isso em consideração e se deixou levar, sim, pelo saudosismo. O que aconteceu com aquele parceiro do Cazuza? Até a banda usava terno e gravata!

Mais estranho que um Frejat repaginado só Cláudia Leitte, a princesa do Axé Music – já que a rainha é Ivete Sangalo por intitulação própria do público – cantando Led Zeppelin. Isso é possível? É plausível? Sinais dos tempos. Do fim dos tempos, como diria minha amiga curitibana Aline Mattar, no Twitter: “Corram todos para as montanhas”. É... muita coisa nesse Rock In Rio parecia anunciar as trombetas do apocalipse. Mas tudo com muita aceitação, o que, particularmente, acho genial e mais que válido. Afinal, como disse Chris Martin, vocalista do Coldplay, tudo aquilo era pela música, pelo amor e por alguma coisa mais que acho que nem ele conseguiu se desenrolar. Também foi um show a parte!

Shakira trouxe uma simpatia que aniquilou a visão de uma garotinha colombiana chata. Canta muito e tem presença! Ganha o público. Mas o mineiro Samuel Rosa, que consegue fazer coisa boa e levantar o público mesmo depois de duas apresentações internacionais de peso, como Coldplay e Maroon 5, da mesma forma que cosntrói, destrói. Não sei porque a mania que ele tem de ou cantar a própria música em ritmo diferente ou declamar a música, ao invés de cantar. Isso irrita o público. Me irritou! Se a voz não dá mais, muda a música. Mas surpreendeu. Fez a plateia pular com sucessos do primeiro CD, lá no início da década de 1990. Até Pedro Aristides, trombonista da banda, mostrou exclusividade. Se apresentou tocando o PBone, um trombone de plástico colorido – amarelo, no caso! – que ganhou de presente de um goiano, o empresário João Paulo Roriz, que detém a exclusividade do instrumento.

Voltando a Chris Martin, o vocalista do Colplay foi a prova viva de que o calor do Rio de Janeiro derrete, sim, as pessoas. Com metabolismo de Fórmula 1, suou o show inteiro em bicas. O suor escorrendo e pingando parecia efeito especial de um dos shows mais bonitos já apresentados no Brasil, acredito, e um dos mais esperados do festival. Chris Martin, quando terminou, se ajoelhou e beijou o chão do palco. Piegas? Pode ser! Mas é um tipo de atitude que deixa fãs descabelados e agrada brasileiros desacreditados no país. Alguém que vem da terra da Rainha, onde tudo é quase certinho demais, se desmonta de prazer ao perceber a dimensão daquilo que tem na frente. É, realmente, de encher os olhos. E quem não tem estrutura psicológica, sai de órbita!

Rock in Rio é assim. Tem o poder de fazer o brasileiro esquecer, nem que seja por um tempo, de Jaqueline Roriz. Alguns, ocupadíssimos nas filas para pegar um lugar ao ‘sol’ e ao som, nem ficaram sabendo que o STF, enfim, inicia julgamento de denúncia contra Paulo Maluf e familiares. É momento êxtase, de Puro Êxtase! – parafraseando Barão Vermelho –, que anestesia um povo doído pelas mazelas políticas e o faz muito mais forte para agüentar três noites seguidas de pulos e gritos, sem comer direito ou bebendo em excesso. Tinha até argentino suportando o tranco todo a base de três alnalgésicos por noite!

Até os metaleiros da System of a Down, banda armeno-americana abreviada de SOAD, se apresentaram fugindo do preto tradicional do heavy metal. O vocalista Serj Tankian vestia camisa branca! Mas isso não tirou o peso do metal e nem livrou a banda de altos comentários engraçadíssimos no Twitter, durante a apresentação. Para quem não tinha conhecimento do SOAD ou do ritmo, a noite foi de piadas. Depois, para encerrar, Axl Rose entrou parecendo um personagem de filme de terror. E derrapou! Na chuva e na voz. O tempo também passou para aquele jovem que tinha no grito agudo afinadíssimo a base para conquistar fãs. Passou! Não foi um encerramento apoteótico, mas deu o que tinha que dar.

No final das contas, resumindo todas as óperas, de todos os ritmos, valeu demais. Mesmo assistindo de casa, sem sopapos, empurrões e dor nos pés, em alguns shows era como me transcender. E eu poderia ver esse espetáculo por mais um mês, todos os dias, sem me cansar. Mas algumas atitudes e algumas personalidades, confesso!, me deixaram pensando se o fim do mundo não estaria próximo. Caso também acreditem nisso, e mesmo morando no Planalto Central, corram todos para as montanhas! É melhor prevenir.

2 comentários:

Para Glória de Jesus Cristo disse...

Bom dia
Provérbios, sem motivo especifico por ter deixado no seu blogger, mas especifico para que leia, simplesmente pela leitura das Escrituras de Deus, que sempre fala ao nosso SER.

CAPÍTULO 10
1 PROVÉRBIOS de Salomão: O filho sábio alegra a seu pai, mas o filho insensato é a tristeza de sua mãe.
2 Os tesouros da impiedade de nada aproveitam; mas a justiça livra da morte.
3 O SENHOR não deixa o justo passar fome, mas rechaça a aspiração dos perversos.
4 O que trabalha com mão displicente empobrece, mas a mão dos diligentes enriquece.
5 O que ajunta no verão é filho ajuizado, mas o que dorme na sega é filho que envergonha.
6 Bênçãos há sobre a cabeça do justo, mas a violência cobre a boca dos perversos.
7 A memória do justo é abençoada, mas o nome dos perversos apodrecerá.
8 O sábio de coração aceita os mandamentos, mas o insensato de lábios ficará transtornado.
9 Quem anda em sinceridade, anda seguro; mas o que perverte os seus caminhos ficará conhecido.
10 O que acena com os olhos causa dores, e o tolo de lábios ficará transtornado.
11 A boca do justo é fonte de vida, mas a violência cobre a boca dos perversos.
12 O ódio excita contendas, mas o amor cobre todos os pecados.
13 Nos lábios do entendido se acha a sabedoria, mas a vara é para as costas do falto de entendimento.
14 Os sábios entesouram a sabedoria; mas a boca do tolo o aproxima da ruína.
15 Os bens do rico são a sua cidade forte, a pobreza dos pobres a sua ruína.
16 A obra do justo conduz à vida, o fruto do perverso, ao pecado.
17 O caminho para a vida é daquele que guarda a instrução, mas o que deixa a repreensão comete erro.
18 O que encobre o ódio tem lábios falsos, e o que divulga má fama é um insensato.
19 Na multidão de palavras não falta pecado, mas o que modera os seus lábios é sábio.
20 Prata escolhida é a língua do justo; o coração dos perversos é de nenhum valor.
21 Os lábios do justo apascentam a muitos, mas os tolos morrem por falta de entendimento.
22 A bênção do SENHOR é que enriquece; e não traz consigo dores.
23 Para o tolo, o cometer desordem é divertimento; mas para o homem entendido é o ter sabedoria.
24 Aquilo que o perverso teme sobrevirá a ele, mas o desejo dos justos será concedido.
25 Como passa a tempestade, assim desaparece o perverso, mas o justo tem fundamento perpétuo.
26 Como vinagre para os dentes, como fumaça para os olhos, assim é o preguiçoso para aqueles que o mandam.
27 O temor do SENHOR aumenta os dias, mas os perversos terão os anos da vida abreviados.
28 A esperança dos justos é alegria, mas a expectação dos perversos perecerá.
29 O caminho do SENHOR é fortaleza para os retos, mas ruína para os que praticam a iniqüidade.
30 O justo nunca jamais será abalado, mas os perversos não habitarão a terra.
31 A boca do justo jorra sabedoria, mas a língua da perversidade será cortada.
32 Os lábios do justo sabem o que agrada, mas a boca dos perversos, só perversidades.

Abraços
Jesus Cristo te Ama!.

Aline Vieira de Andrade Mattar disse...

Hahahahaha Rimene!!! Texto perfeito!! SAUDADES!!