segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Academia do futuro já é realidade em Goiânia

Os aparelhos de ginástica evoluíram. Hoje, um equipamento como a popular esteira, por exemplo, acopla várias funções que tornam mais pazeroso e prático o tempo que se passa malhando. A idéia dos novos modelos de esteira é aproveitar o máximo o tempo do exercício aeróbico consultando e-mails, estudando inglês no MP3 ou realizando qualquer outra atividade simultânea compatível com a tecnologia dos novos aparelhos, que não é fraca.


Em Goiânia já estão disponíveis os equipamentos multimídia da Total Health. Um dos aparelhos mais chamativos da coleção 2011 é a esteira RX10, que possui tecnologia de ponta. Seus principais recursos são a tela de 15" LCD Touch Screen, entrada USB para ouvir músicas, entrada para TV e DVD, 3 idiomas (português, inglês e espanhol), sensor de segurança, sistema de inclinação e motor de 2hp (até 18km/h). Mais: teclado secundário com teclas de início rápido, sensores ópticos e sensor de batimento cardíaco.

Outra novidade da grife de aparelhos é a introdução de uma nova maneira de praticar musculação, de forma fácil, eficiente e segura. Com tecnologia exclusiva e design inovador, o Innostrength vai potencializa os resultados dos treinos. Trata-se de uma cadeira flexora que não possui coluna de peso, mas sim um motor que regula a carga. O usuário ajusta a carga através do painel LCD touch screen. Este aparelho, patenteado no Brasil pela Total Health, é também o mais indicado para casos de reabilitação de pessoas que sofreram algum tipo de lesão.

A Total Health é uma empresa genuinamente brasileira com sede em Jaboticabal, no interior do estado de São Paulo, que atua no mercado fitness desde 1998, fabricando toda linha de cardiovasculares e de aparelhos para musculação. Os executivos da marca em Goiânia, Fabiano Alves e Rosângela Pereira, contam que vem mais por aí. A linha Interactive, por exemplo, vai permitir a utilização de um instrutor virtual que demonstra como os recursos do equipamento devem ser utilizados.

A nova linha de aparelhos já está à disposição na loja da Total Health, em Goiânia.


Total Health: Av. Universitária, n. 2100, St. Leste Universitário – Goiânia
Fone: (62) 3931-0131 / (62) 7811-3090
Contato: Rosângela Pereira
Assessoria de imprensa: Britz Lopes (9973-4246) /Rimene Amaral (9975-0710)

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Studio deZZign Objetos com Arte

Prepare-se para se surpreender com tanta criatividade
Mas, então, o que é uma peça de design? É aquela que não respeita os conceitos estabelecidos e surpreende. É o objeto que veio suprir uma função para a qual ainda não haviam inventado nada. É arte. É possibilidade. É pura criação. O design se aplica a tudo: ao utensílio de cozinha, roupa, jóia, mobiliário, enfim, qualquer objeto que se pode agregar a arte como valor.

O design tem a função de quebrar o lugar comum e dar forma inusitada a todo tipo de material: tecido, cristal, porcelana, madeira etc, etc, etc. Design não tem padrão, ao contrário. Deve surpreender justamente pela falta dele.

Foi pensando em todas as possibilidades que envolvem o design que a artista plástica Lívia Rizzo e sua filha, a designer de interiores Ana Carolina Rizzo, criaram o Studio deZZign Objetos com Arte, que será inaugurado no dia 20, num casarão na Rua 147, 494, Setor Marista.

O espaço vai abrigar exatamente um pouco de tudo que o melhor do design produzido no Brasil pode ofercer. Lívia e Ana Carolina começaram a curadoria em casa mesmo. De lá vão as janelas coloniais com interferências que deram forma à mostra de Lívia denominada Um olhar sobre Klimt, as jóias concebidas e produzidas por Lívia, além de objetos garimpados nos melhores estúdios de design do Brasil. Objetos bem humorados, fora de padrão, alguns muito requintados, mas cuja graça está justamente no inusitado de sua criação.

Outro foco do Studio deZZign Objetos com Arte é a execução de projetos personalizados para interiores, além do desenvolvimento de objetos – mobiliário, por exemplo – e jóias, também personalizados.

Bela Boneca – Entre as peças que vão compor o mix do Studio deZZign – objetos com arte estão exemplares do projeto Bela Boneca, idealizado no Asilo São Vicente de Paulo da cidade de Goiás pelo Instituto Rizzo, do empresário Leonardo Rizzo, e implantado por Isabel Rizzo e sua filha, a artista plástica Lívia Rizzo. Teve como grande incentivadora a irmã Aspásia – hoje já falecida –, à época diretora da entidade.

A história do Bela Boneca até hoje emociona. As portadoras de necessidades especiais do Asilo São Vicente de Paulo criam novos figurinos para as bonecas, uma ocupação que as transformou em verdadeiras artistas.

Cada boneca é caracterizada de acordo com um personagem da cena da antiga Vila Boa. A boneca da poetisa Cora Coralina, por exemplo, tem detalhes que só quem com ela conviveu poderia reproduzir no figurino.

Com a supervisão de Isabel e Lívia, as internas do Asilo encontraram no projeto uma profissão que resgata as tradições e a cultura do Estado. O Bela Boneca conta com total apoio do Intituto Rizzo. A entidade trabalha duas vertentes: a valorização das artes plásticas e do meio ambiente, nas figuras de seus diretores Siron Franco e Washington Novaes.

Quem somos

Lívia Rizzo é vilaboense formada em Artes Visuais e Design pela UFG. Em 1993 participou da Bienal de Arte do Museu de Arte Contemporânea e, também no MAC, em 1995, integrou a Bienal de Arte Incomum. Fez duas individuais na Galeria Santa Fé, em 1997 e 1999 e participou da Mostra Brasil 500 anos, da Fundação Jaime Câmara, em 2000.

Seus trabalhos compuseram as exposições anuais no Fica (Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental de 1999 a 2004). Em 2003 foi premiada na Exposição Nacional de Arte em Curitiba e em 2005 estreou Um olhar sobre Klimt, sua mais recente mostra, com pinturas sobre janelas coloniais inspiradas na obra do pintor austríaco.

Além das artes plásticas, Lívia Rizzo trabalha com criação de objetos, como o mobiliário do apartamento goiano do Castros Hotel, além de luminárias e outras peças. Há cinco anos também desenha e produz jóias.

Os trabalhos de Lívia Rizzo podem ser vistos na Galeria de Artes Potrich e agora no Studio deZZign.

Ana Carolina Rizzo tem 23 anos e cursou Design na PUC Goiás. Na seqüência, foi estudar arte na Itália. Passou por Florença e Milão, onde concluiu curso no Instituto Marangoni. Já tem sua marca registrada em detalhamento de interiores de apartamentos para algumas construtoras de Goiânia e em condomínios. Participou da mostra Ambientar e desenhou todo o interior do novo Hospital Unique.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Madero: três dias da semana com desconto de 30%

Quando a gente experimenta e gosta, tem de espalhar pra todo mundo. Tô fazendo minha parte. Aproveite!

A partir do dia 4 de outubro, o Madero dá início à campanha 3 DIAS COM 30%. Durante 3 dias da semana, o restaurante oferece 30% de desconto em produtos específicos. A cada dia, uma promoção diferente.


Segunda-feira é dia de saborear o Cheeseburger Clássico, com 260g de pura carne, por R$16,90.

Na terça-feira, todos os rótulos terão 30% de desconto. O vinho argentino Alamos Malbec, por exemplo, sairá por R$ 31,50. Além disso, a combinação Bife de Chorizo + Spaghetti com mignon sai por R$ 45,30. Os pratos podem ser adquiridos separadamente pelos valores de R$ 28,40 e R$ 16,90 respectivamente.

Quarta-feira é dia de desconto de 30% em todo o cardápio de sobremesas, inclusive no Petit Gâteau, receita exclusiva do chef Junior Durski. O premiado petit gâteau de doce de leite, com o famoso sorvete Häagen-Dazs e calda de frutas do bosque sai de R$19,90 por R$13,90.

Madero
Avenida T-10 Nº 1300 – Goiânia Shopping
Fone: 3233 3090
Funcionamento: Segunda a sábado - das 12 às 15h e das 19 às 22h
                         Domingo - das 12 às 22h

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Dieta de uma gordinha empolgada

Meu querido diário. hoje começo a fazer dieta. Preciso perder 8 kg e o médico me aconselhou a fazer um diário, onde devo colocar minha alimentação e falar sobre o meu estado de espírito. Sinto-me de volta à adolescência, mas estou muito empolgada com tudo. Por mais que dieta seja dolorosa, quando conseguir entrar naquele vestidinho preto maravilhoso vai ser tudo de bom.


Primeiro dia de dieta:
Uma fatia de queijo branco.
Um copo de diet shake.
Meu humor está maravilhoso.
Me sinto mais leve.

Segundo dia de dieta:
Uma saladinha básica.
Uma fatia de queijo branco.
Algumas torradas e um copo de iogurte.
Ainda me sinto maravilhosa.
Anotação: A cabeça dói um pouquinho, mas nada que uma aspirina não resolva.

Terceiro dia de dieta:
Acordei no meio da madrugada com um barulho esquisito.
Achei que fosse ladrão.
Mas, depois de um tempo percebi que era o meu próprio estômago.
Roncando de dar medo.
Tomei um litro de chá.
Fiquei mijando o resto da noite.
Anotação: Nunca mais tomo chá à noite.

Quarto dia de dieta:
Estou começando a odiar salada.
Me sinto uma vaca mascando capim.
Estou meio irritada.
Mas acho que é o tempo.
Minha cabeça parece um tambor.
Janaína (aquela estagiaria novinha) comeu uma torta alemã hoje no almoço.
Mas eu resisti.
Comi só duas fatias de queijo branco.
Anotação: Odeio Janaína

Quinto dia de dieta:
Juro por Deus que se ver mais um pedaço de queijo branco na minha frente, eu vomito!
No almoço, a salada parecia rir da minha cara.
Gritei com o boy hoje!
E com a Janaína.
Preciso me acalmar e voltar a me concentrar.
Comprei uma revista com a Gisele na capa.
Minha meta.
Não posso perder o foco.

Sexto dia de dieta:
Estou um caco.
Não dormi nada essa noite.
E o pouco que consegui, sonhei com um pudim de leite.
Acho que mataria hoje por um brigadeiro…

Sétimo dia de dieta:
Fui ao médico.
Emagreci 250 gramas .
Tá de sacanagem!
A semana toda comendo mato.
Só faltando mugir e perdi 250 gramas !
Ele explicou que isso é normal.
Mulher demora mais emagrecer, ainda mais na minha idade.
O FDP me chamou de gorda e velha!
Anotação: Procurar outro médico.

Oitavo dia de dieta:
Fui acordada hoje por um frango assado.
Juro!
Ele estava na beirada da cama, dançando dança do ventre.
Anotação: O pessoal do escritório ficou me olhando esquisito hoje, Janaína diz que é porque estou parecendo o Jack do ‘Iluminado’.

Nono dia de dieta:
Não fui trabalhar hoje.
O frango assado voltou a me acordar, dançando a kara karamba kara karaô dessa vez. Passei o dia no sofá vendo tv.
Acho que existe um complô.
Todos os canais passavam receita culinária.
Ensinaram a fazer Torta de morangos, salpicão e sanduíche de rocambole.
Anotação: Comprar outro controle remoto, num acesso de fúria, joguei o meu pela janela.

Décimo dia de dieta:
Eu odeio Gisele Bundchen!
Com photoshop até a Dercy Gonçalves fica gostosa.

Décimo-primeiro dia de dieta:
Chutei o cachorro da vizinha.
Gritei com o porteiro.
O boy não entra mais na minha sala e as secretárias encostam na parede quando eu passo.

Décimo-segundo dia de dieta:
Sopa.
Anotação: Nunca mais jogo pôquer com o frango assado.
Ele rouba.

Décimo-terceiro dia de dieta:
A balança não se moveu.
Ela não se moveu!
Não perdi um mísero grama!
Comecei a gargalhar freneticamente.
Assustado, o médico sugeriu um psicólogo.
Acho que chegou a falar em psiquiatra.
Será que é porque eu o ameacei com um bisturi?
Anotação: Não volto mais ao médico, o frango acha que ele é um charlatão.

Décimo-quarto dia de dieta:
O frango me apresentou uns amigos. A picanha é super gente boa, e a torta, embora meio enfezada, é um doce.

Décimo-quinto dia de dieta:
Matei a Gisele Bundchen !
Cortei ela em pedacinhos e todas as fotos de modelos magérrimas que tinha em casa.
Anotação: O frango e seus amigos estão chateados comigo.
Comi um pedaço do Sr. Pão.
Mas foi em legítima defesa.
Ele me ameaçou com um pedaço de salame.

Décimo sexto dia:
Não estou mais de dieta.
Aborrecida com o frango, comi ele junto com o pão.
E arrematei com a torta.
Ela realmente era um doce ...

Frase de Reflexão:
‘Certas dietas são simples: Basta cortar o açúcar, as frituras, as massas, as bebidas alcoólicas, os pães e os pulsos.’

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Ondas


Entre as trêmulas mornas ardentias,
A noite no alto-mar anima as ondas.
Sobem das fundas úmidas Golcondas,
Pérolas vivas, as nereidas frias:

Entrelaçam-se, correm fugidias,
Voltam, cruzando-se; e, em lascivas rondas,
Vestem as formas alvas e redondas
De algas roxas e glaucas pedrarias.

Coxas de vago ônix, ventres polidos
De alabastro, quadris de argêntea espuma,
Seios de dúbia opala ardem na treva;

E bocas verdes, cheias de gemidos,
Que o fósforo incendeia e o âmbar perfuma,
Soluçam beijos vãos que o vento leva...

Olavo Bilac

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Em tempo de eleição, vale a pena ver de novo!

É vergonhoso... é humilhante... é sem palavras.
E pra quem é de Goiás, ainda tem o deputado José Tatico, uma das figuras mais sem elegância que já vi e ouvi por meio da imprensa.
Vergonhoso... Tudo é vergonhoso! Será que temos que passar por isso?

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Frase minha, mesmo!

Amor é sentimento nobre e amar á uma arte!

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Colorindo

Numa folha qualquer

Eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo...

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Passarela sem holofote


O sinal havia acabado de pular para o vermelho. Do lado direito, no estacionamento de uma clínica psiquiátrica, uma paciente era fotografada. Estava sendo desatada da camisa-de-força e parecia estar mais calma depois que as amarras foram afrouxadas. Fazia poses e sorria muito para a câmera, mesmo não tendo domínio completo dos movimentos. Ao lado, um furgão aberto escondia uma arara cheia de roupas brilhantes e bordadas e vestidos de festa. Perndurado na maçaneta do veículo um roupão atoalhado tinindo de branco! Parecia irradiar luz própria, tamanha era a brancura. Ao lado, duas mesas plásticas – daquelas usadas nas calçadas dos bares de periferia – imitavam o que era para ser uma penteadeira de camarim. Forradas com um tecido aveludado preto, sustentava duas maletas de maquiagem e bijouterias baratas. Aquele cenário ficaria ali por pelo menos a metade do dia, até que tudo voltasse ao normal.

Era um sábado de feira. Tempinho fechado com uma chuvinha fina que insistia em cair. Cloe esbanjando entusiasmo, aos 10 anos de idade, quando visitou a feira-livre do bairro pela primeira vez, na companhia na mãe, olhava uma pilha de cenouras cuidadosamente postas numa banca em forma de pirâmide. Era uma garota que chamava a atenção. Se tivesse 8 anos a mais, seria de parar o trânsito! Cabelos ruivos e os olhos azuis, bem arregalados, como duas turquesas que refletiam a alma – quando chorava, diziam, os olhos pareciam duas represas estourando as barragens e escorrendo pela face como córregos em um quênion. Calçava botas que protegiam as pernas até a altura dos joelhos. As calças foram escondidas pelo ponche xadrez marrom trazido do Peru pelo pai, na última incursão que fez de moto pela América Latina.

De longe, Sarrassini lançava um olhar curioso sobre a garota. Ele tinha a árdua tarefa de encontrar novos rostos para campanhas publicitárias. Ele era o que hoje se chama de scouter – um olheiro, pra ser mais claro! – e tinha achado uma jóia. Chegou mais perto e, percebendo que a mãe de Cloe havia notado, aproximou-se de uma vez, se apresentou e insistiu para que a mãe, de posse de um cartão de visitas, levasse a garota à agência de modelos. Em menos de um mês, Cloe era um dos rostos mais solicitados e fotografados em campanhas publicitárias e catálogos de moda infantil. E foi assim por mais de dez anos.

A garotinha com rosto de boneca tinha viagem marcada para um desfile nas passarelas de Milão e outro em Paris, além de um comercial em Londres. Coisa que já havia se tornado corriqueira. Fotos, maquiagem, muitas roupas, passarelas, flashes, autógrafos... muito glamour, muitas festas, muitas companhias. Algumas, más! Mas ela sempre se sobressaia. Até o dia, depois de um desfile, em que tomou algumas taças a mais de champagne e entrou no carro de um modelo, com quem fez uma ponta em um comercial. Do set de filmagem, os dois se dirigiram para um apartamento na região oeste de Paris. A festinha paricular rolou até de madrugada, regada a muito mais champagne. Quase amanhecia quando ofereceram a primeira carreira de pó a Cloe. Embriagada, ela nem teve tempo de pensar em recusar. Estava instalado o vício.

Em menos de seis meses a carreira da moça despencou, como se fosse uma modelo bêbada usando salto 15, numa passarela molhada. Os trabalhos se resumiam a umas poucas fotos para comerciais de iogurte e pontas em comerciais de TV como figurante. A família e os amigos começaram a se preocupar. Em pouco tempo, Cloe já havia frequentado quase dez clínicas para recuperação de drogados. Em vão! Um dia, numa balada recheada de álcool e cocaína, ela caiu no chão da boate, bateu a cabeça e quando acordou vivia uma confusão mental, que perdura até hoje, seis anos depois.

Aos 27 anos, a garota bonita, de olhos merejantes, tinha sido internada em um manicômio. Nos olhos dela agora o que escorria pareciam ser enxurradas de sangue. Periodicamente, ela saia do normal, tinha delírios e tinha de ser medicada para que o surto fosse controlado. Outras vezes, ela extrapolava as barreiras da realidade e dizia ser a modelo mais famosa do mundo. Era o pior estágio! Nessas horas, era preciso tratá-la como tal.

Ser levado


Acho que uma das vontades do ser humano é deixar ser levado, seja pelo vendo, voando, seja pela água, surfando. Vale a lembrança e a tentativa!

domingo, 8 de agosto de 2010

Dia dos Pais: sobre cardápios e dietas

Hoje papai não estará, pelo terceiro ano consecutivo, sentado à cabeceira da mesa da área de casa, para aquele almoço demorado de domingo, sempre feito a oito mãos. Cada duas, faziam pelo menos dois pratos. Pelo menos! Daí a se imaginar que em nenhum domingo havia menos que oito pratos deliciosos para serem saboreados no Dia dos Pais. E o bar abria cedo. A cerveja gelada já estava no copo às 10 horas.


Na verdade papai sempre disse que a melhor coisa que existia pra ele era um prato bem feito de macarrão. Daqueles comuns, mesmo. Simples como ele: ‘macarronada’ como ele fazia questão de frisar, com muito queijo ralado jogado por cima, depois do prato feito! Mas, mesmo assim, papai jamais dispensou um prato de macarrão qualquer que seja. Ele dizia, quase salivando, que o melhor macarrão era, na verdade, o cozido. E como gostava! Por isso mesmo, independente do cardápio de domingo, mesmo que os sabores não ‘ornassem’ entre si, o macarrão era cogitado como um dos pratos. Mas no Dia dos Pais a vontade dele era atendida sem que ele pedisse. O macarrão era majestade na mesa do almoço e, certamente, num prato fundo (por iniciativa própria dele), no jantar. Às vezes, rolava até uma garfada na virada da tarde. Gelado, mesmo.

Como dieta não é coisa de Deus, papai também não era uma pessoa muito fervorosa com os tais ditos de ‘o que comer’. Necesitava deles com uma certa frequência, mas burlava a todas as dietas. Me lembro bem que numa dessas, o cardápio de domingo era de apenas 600 calorias, tendo apenas uma fruta como sobremesa. (Aqui cabe uma nota: assim como eu, papai também o-di-a-va, com todas as forças, a tal da jaca.). Depois de comer um prato de legumes cozidos no vapor (ô, coisa sem graça...), duas colheres de arroz, duas de feijão, um filé de frango grelhado e uma colher de angu de milho verde, ele se levantou rapidamente e foi para a sala. Dizia que era pra conter a tentação, já que a fome continuava do mesmo tamanho. Mamãe foi atrás para saber o que queria de sobremesa. O diálogo foi curto, explicativo e de modo muito bem demonstrativo no quesito desespero:

Mamãe: Vai querer o que de sobremesa?

Papai: O que tem no cardápio?

Mamãe: Uma fruta.

Papai: Só uma?

Mamãe: Só.

Papai: Traz uma jaca!

Sem conseguir conter o riso e de ser condescendente com a situação, mamãe tentou mudar a escolha para uma melancia. Mas o que ele queria mesmo era voltar para a mesa e comer tudo que havia deixado de lado, por causa da dieta.

Outras vezes, papai seguia a dieta à risca em casa. Mas deixa todo mundo preocupado porque não emagrecia o que era esperado dentro do prazo dado pelo médico. A resposta veio muito tempo depois, quando a comida já não lhe trazia mais tanto prazer e a vizinhança começou a soltar as histórias. Segundo diziam, e isso papai chegou a confirmar, dentro de casa apenas salada e frango grelhado. Fora de casa, macarrão com queijo! E com um jeitinho especial, que só ele tinha, conseguia comer sem restrições em qualquer casa que entrasse. E, na maioria das vezes, era macarrão a oferta do anfitrião.

Hoje o macarrão parece ter menos molho, o queijo não parece ter o mesmo sabor e os almoços de domingo com um tempero diferente. Mas o Dia dos Pais, será, para sempre, um tanto sem sal!

Onde estiver, MEU PAI, feliz Dia dos Pais!

terça-feira, 20 de julho de 2010

Sobre drogas e make up

Era um homem, mas o perfil era o de uma tia bem coroa, toda espalhafatosa, de aproximadamente 50 anos, mas que aparentava uns 60. Conseqüência das noitadas regadas a generosas doses e, bem possível, a longas carreiras de pó, findáveis apenas quando o primeiro raio de sol surgisse. Pediu licença para se sentar ao lado da janela, acento 26F do vôo 3795. Levantei-me e a ‘tia velha’ se sentou. Usava calças jeans surradíssimas, uma camiseta toda destronchada, bolsa tira-colo de lona cinza já bem desgastada pelo tempo e uma pochete. Os cabelos continham bem mais de cinqüenta por cento de fios brancos. A cara mais amarrotada que terno de bêbado. Acomodou a matula debaixo da poltrona da frente e recostou-se. Respirava fundo, como se tivesse corrido uma maratona, minutos antes de embarcar no portão de número 2.

Abri meu livro e comecei uma leitura frenética. Coisa que faço sempre quando quero chegar logo ao destino. A leitura me parece adiantar o tempo. Enquanto mergulhava numa história de guerra, comédia e histeria, o companheiro da poltrona ao lado começava e demonstrar sinais de inquietação. Talvez fosse a noitada que ainda estava correndo nas veias e a cabeça ainda estava longe dali. Era clara a tentativa de fuga da alma do corpo, a qualquer preço. A ‘tia velha’ começou a conversar com o nada. Parecia treinar um papo que teria assim que descesse da aeronave, com alguém muito importante. E o assunto era deveras relevante.

Por um momento imaginei que o vizinho de poltrona estivesse amedrontado pelo vôo. Passava a mão constantemente pela face. Começava pela mandíbula e subia até a fronte. Depois completava, como uma espécie de alívio, até a nuca, entrelaçando os dedos nos cabelos gris e voltando, novamente, à face. Fazia isso sem parar. Parecia tenso. Às vezes, parecia rezar. Mas uma coisa era fato: não parava de conversar. Apontava o dedo. Virava a mão, com a palma voltada para cima, como quem duvida de algo. Por várias vezes tive a nítida certeza de que ele tivesse dito um “ponte que partiu!” e em outras, claramente, ouvi “carvalho!”. Abaixou-se, abriu a capanga e retirou um saco com folhas de papel impressas. Tentei ler, mas ele parecia não querer que ninguém soubesse qual era a resenha.

Serviço de bordo iniciado e ele recebe o prato. Pediu dois. Como informou a empresa aérea, para lembrar os tempos da vovó e trazer de volta o acalento. Imaginei que ele possivelmente pudesse estar precisando daquilo, até o momento em que ele pediu dois copos de suco de laranja. Havia algo errado, certamente. Ou havia alguém ali que eu não conseguia enxergar. Me lembrei que people can see dead people. E o papo continuava.

De repente, a ‘tia’ começa a emitir grunhidos, seguido de uma gargalhada quase contida. Depois uma gargalhada debochada. Fiquei estático e meus olhos passeavam pelo meu lado direito querendo achar o motivo da risada. Vi, pela primeira vez, a face da ‘tia velha’. Como dizia uma cinegrafista sem qualquer discrição, com quem trabalhei anos atrás, além de grisalho, tinha cara de areia mijada, marcada pela acne. Sorria e passava a mão pelo nariz, respirava fundo, balançava a perna direito sem parar um segundo, sequer, enquanto conversava só e ria de alguma coisa que deveria ter sido muito engraçada. E gesticulava. Como gesticulava, a ‘tia’!

Depois de recolhidas as sobras do serviço de bordo, adormeci, rapidamente, e acordei com um grito histérico do meu lado, assim que o comandante anunciou: “Atenção senhores passageiros, pouso autorizado!”. Juro que não entendi a cena. ‘Tia velha’ gritava com uma mão na cabeça e outra na barriga. Os olhos marejados, quase vertendo, estavam vidrados enquanto a aeronave se chacoalhava toda, minutos antes do pouso. Assim que o avião tocou o solo e deu-se o solavanco, com a abertura do reverso, a ‘tia’ se calou. Olhei para o lado e percebi que havia entrado em estado catatônico. Quando o avião parou, chamei a aeromoça. Com toda presteza, se postou ao meu lado e perguntou à ‘tia’ se estava tudo bem. “O senhor está pálido. Precisa de alguma coisa?”. E a ‘tia velha’, sorrindo: “Tem um batom, por favor?”.

*Fato real e acontecido ontem.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Preto

Pra não deixar esquecer nunca.
Essa música me eleva, me lava, me leva...

http://www.youtube.com/watch?v=AFVlJAi3Cso

segunda-feira, 28 de junho de 2010

O último cheque

Pense numa mulher vingativa!

A filha fará 18 anos e o pai está todo feliz por emitir o último cheque da pensão que é paga à ex-mulher, há 17 anos e 11 meses. Ele pede para a filha levar o cheque e retornar rapidinho, para contar-lhe como ficou a cara da babaca da mãe dela ao dizer-lhe que era o último cheque que ela veria da parte dele. A filha entrega o cheque à mãe, ouve o que ela diz e volta para a casado pai, para dar-lhe a tão esperada resposta.

- Diga-me, filha, qual foi a reação da babaca da sua mãe!

- Ela mandou dizer que você não é o meu pai!

Terapia de casal

Um casal vai a um psicólogo, após 20 anos juntos. Chegando no consultório, o terapeuta, jovem, bonitão, super malhado, pergunta qual é o motivo da consulta, e a mulher responde:

-Pouca atenção, falta de intimidade, vazio, solidão, não me sinto amada e desejada... e por aí vai.

O psicólogo se levanta, se aproxima da mulher, pede que ela também se levante, a abraça e a beija com paixão, enquanto o marido os observa impressionado. A mulher fica muda e se senta meio atordoada. O terapeuta vira para o marido e diz:

- Isto é o que sua mulher precisa pelo menos 3 vezes por semana! Você consegue?

O marido pensa um pouco e responde:

-Bom, eu posso trazê-la segunda e quarta, mas, às sextas, eu jogo bola!

Quanta sensibilidade!

Sobre sabores. Sobre meu pai!


2 de julho de 2010. Hoje meu pai faz 66 anos; 62 deles vividos entre nós, os mortais. Então, dia de lembrar de mais uma das dele. Exclusividade era o que não faltava. Pérolas, até! Como foi, num sábado, a aventura de encorporar um baiano e fazer acarajé. Magina se ele não iria tentar!

Feijão de molho, como manda o figurino, e cascas soltas, como dita a receita. Hora de fazer a massa e acrescentar os tempeiros. Pela receita, apenas sal. Pouco sal! Mas, meu pai tinha um tino culinário que surpreendia. Isso já fez com que ele inventasse o sanduíche de pão de queijo e um bauru com molho tártaro, que era de se comer ajoelhado, pedindo perdão eterno a Deus pelo pecado da gula. Bem, e lembrando de tais iguarias, todos aceitaram quando ele se propôs a mudar a receita do acarajé, acrescentando alho à massa.

Como tinha muito feijão, imaginava-se, é claro, que a quantidade de tempeiro também tinha que ser bastante. Três cabeças de alho eram suficientes. “Como assim? Não tem alho na receita!”, bradou minha mãe, uma baiana legítima de 1,49m de altura e toda dona da situação. Sem pestanejar, meu pai retrucou com uma – que depois passaria a ser uma de suas pérolas! – expressão: “Alho nunca passa!”. Depois dessa, todo mundo se calou e a massa do acarajé foi devidamente temperada. Ainda teve espaço para aquela pimentinha básica, condimento inseparável quando papai era o dono da cozinha. E não raras eram as vezes.

Três cabeças de alho já tinham sido esmagadas. Dente a dente! De uma só vez, ele jogopu a pasta de alho à massa e misturou vigorosamente, também como manda a receita. Provou e achou que ainda estava faltando algo. “Tá meio sem graça, ainda”, disse ele com o dedo na boca ainda sujo da massa de feijão cru, sal, alho e pimenta. Pronto, coloca mais alho, afinal de contas ‘alho nunca passa’!

Colher de pau mexia e dendê esquentava no tacho. Aos poucos os bolinhos foram fritando... o cheio me remetia à terra de todos os santos. À baía de todos eles, pra ser mais exato. O cheiro era inexplicável. Podia ouvir os atabaques e até o Olodum descendo a ladeira do Pelô! Cervejinha vinha... cervejinha ia... e sai a primeira remessa de acarajé. Pelo menos dos bolinhos. Primeira mordida e... e... Alho puro! Não tinha gosto de outra coisa, senão alho! Só alho. Fritamos mais uns. Daío gosto modificou. Alho encorpado. Quanto mais o tempo passava, mais o alho encorpava à massa. Bem... o caruru, o camarão seco e o vatapá foram comidos com arroz e vinagrete. O acarajé, de verdade, ficou pra um outro dia. Mas na próxima vez papai já tinha uma nova ‘expressão’ que também viraria uma pérola – até hoje!: “Tá bom. Alho nunca passa. Só no acarajé!”.

E o acarajé cheio de alho faz falta.

Beijos. Onde quer que esteja... FELIZ ANIVERSÁRIO!

O sapólio, o governo dá, e agora com 1002 utilidades


Foi como um flash. A visão que tive daquele rolinho com tinta preta e a espátula me fez voltar anos atrás, quando fiz minha primeira carteira de identidade e as impressões digitais ainda eram 'tiradas' da forma mais arcáica possível, com um agravante: os dedos sujos de tinta contaminavam a roupa, os óculos e tudo que pudesse estar ao alcance deles. Mais: o cidadão era visto com olhos tortos, como se fosse mais um fichado pela polícia. Pois bem, hoje passei pelo vexame, mais uma vez!

Que o Vapt-vupt foi uma ótima alternativa para desafogar os órgãos públicos goianos, não há dúvidas. O cidadão pode resolver os problemas do dia-dia, no que se refere ao Estado, com mais dignidade e menos burocracia. Eu disse ‘menos’ burocracia. O que significa que ainda tem. Mas menos! Porém é preciso não deixar que as estruturas se contaminem pelo descrédito ou pela morosidade do funcionalismo que começa a enxergar o Vapt-vupt como mais uma grande repartição pública sem quaisquer recursos. Mínimos, que sejam!

Pois bem, hoje, no horário do almoço, procurei uma unidade do Vapt-vupt para refazer a minha carteira de identidade, datada de nem sei quantos anos. Meu rosto era de uma criança que ainda não tinha traços definidos. Cresci e meu rosto não é mais o mesmo. Ainda bem! Acho até que melhorei bastante. A minha surpresa foi chocante, ao ser levado para uma cabine, onde uma garota imprimiu minhas digitais novamente. O susto se deveu por causa da forma como isso foi feito. Mesmo hoje, com todos os recursos eletrônicos, o Governo de Goiás ainda usa os famosos rolinhos com tinta de tipografia, com cheiro de traça - como a própria atendente sugeriu -, para imprimir as digitais. Pensa que é só esse o atraso? Não. Depois de sujar os dez dedos das mãos é que o contribuinte recebe a notícia de que não há papel para limpar os dedos.

Com um sorriso angelical, sem deixar de lado a ironia, a garota que fez todo o serviço, acrescenta: “Mas tem sapólio. Isso o governo paga!”.

É a Bombril descobrindo as novas necessidades do brasileiro!

terça-feira, 22 de junho de 2010

Recomendação com Censura!

Sabe aqueles textos inteligentes que você queria ter escrito? Pois é!
Recomendo, mas com moderação. Como blogs não vêm com bula, leia antes de ler.

http://pegadassujas.wordpress.com/

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Para lembrar o Mestre Saramago, hoje, dia da sua ausência eterna!


"Se tens um coração de ferro, bom proveito. O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia"

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Um pedido de perdão


Hei de convir, e com a consciência um tanto quanto acima do peso... Eu pequei! Pequei contra a madrinha de Elza Tereza, a mais brasileira das portuguesas.

Não tive como deixar a minha máquina de café Nespresso a Deus dará, por aí. Comprei a minha – modelo que pouca gente tem (‘top da xicura’, já disse a alguns!) – em Lisboa, Portugal. Veio com tudo europeu, inclusive manual em português. Melhor, seria se eu não soubesse entender como funcionava a coisa! Mas fiquei feliz com o café!

Minha amiga Dani Carelli (esopsa do Beto, cara gente fina de Nerópolis – anos de farra quando Nova Veneza ainda era apenas a Nova!), ao saber da aquisição da novidade, já se manifestou. Ficamos compadres por um mero acaso do destino. Elza Tereza (nome da minha máquina de Nespresso - por causa das cores vermelho e preto... é uma longa história) tinha de ser reconhecida pela madrinha Dani. Pronto! Ela assumiu. De cara, deu um jogo de xícaras – também ‘top da xicura’ – para ficar ao lado de Elzita (apelido íntimo que a Nespresso ganhou!).

Certa noite, em uma daquelas reuniõezinhas regadas a muito álcool e cafeína, a comadre, didinha Dani, acabou, sabe-se lá por qual motivo, tomando o rumo de casa antes de todos os convivas, que ainda se deliciavam com a famosa berinjela à parmegiana, preparada por mim. Garrafas e mais garrafas de delícias (?) etílicas foram secas. Final da noite e Elzita começou a funcionar. E como funcionou! Satisfação plena, cada um procurou o ruma da cama. Nas suas casas, diga-se!

Acontece que, ainda naquela noite gastronômica, fotos do nectar que brotava de Elzita foram expostas em sites de bate-papo e de relacionamentos e, em pouco tempo, a didinha, comadre Dani, tomou conhecimento da orgia cafeínica e manifestou-se. Enérgica, brava, cuspindo fogo pelas ventas e balançando o cabelo de forma a esconder os olhos vermelhos de ódio. Não os vi, mas imaginei. E com razão! Logo ela, a dindinha e comadre Dani, não havia provado da primeira safra, o bastismo de Elza Tereza, por assim dizer.

Enfurecida, e com razão – reconheço! – tentei amansar a fera. Apoiadores e defensores da minha razão sem razão, nutricionistas, japoneses, profiossionais em tecnologia... todos partiram em minha defesa dizendo que a culpa tinha sido da madrinha desnaturada, que saíra antes do batismo. Fiquei calado. Aceitei o apoio, mas baixei a cabeça às críticas provenientes da dinda. “Logo ela”, pensava eu. Dormi perturbado.

Horas depois, com o sol alto, o álcool ainda não tinha abandonado o corpo em definitivo, recebo a mensagem mais calma de Dani. Sem estresse, sem rancores, sem tons acima dos 30 decibéis. Tudo havia voltado ao normal, com a promessa de um novo batismo, só para a madrinha e apoiadores da causa. Ela trará um novo presente e apoiadores da minha causa serão também padrinhos nas transversais, em todas as suas variáveis, e também trarão seus agrados à Elza Tereza que, em homanagem, receberá um sobrenome de cada um dos padrinhos. Sejam bem-vindos!

sábado, 29 de maio de 2010

É ou não é?

Status é comprar uma coisa que você não quer, com um dinheiro que você não tem, para mostrar pra gente que você não gosta, uma pessoa que você não é.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

DELEGADO DE CAMAÇARI É ASSASSINADO DURANTE ENTREVISTA AO VIVO

Durante entrevista a Rádio Líder FM, o delegado Cleiton Leão, titular da 18 Delegacia da cidade de Camaçari, quando falava ao vivo sobre a segurança da cidade, sofreu um atentado, foi alvejado dentro do carro e morreu no local.

O crime ocorreu em Cajazeiras de Abrantes uma localidade de Camaçari. Estava ao lado do delegado a sua esposa que assistiu a tudo. Os radialistas Marco Antonio e Raimundo Rui, chegaram a ouvir estampidos de tiros, quando o Delegado, interrompia a entrevista e dizia: “Pera ai, pêra ai. De repente uma voz feminina gritava, por socorro em tom de desespero. Era a voz da mulher do delegado.

Por mais de dez minutos, os apresentadores deixaram o som do telefone celular do delegado plugado, já que através dele, o delegado falava ao vivo na emissora.
O fato foi acompanhado ao vivo por milhares de ouvintes da emissora, que ficaram perplexos, como os apresentadores Raimundo Rui, Marco Antonio e toda a equipe.

Uma ironia do destino, o delegado foi morto quando falava de segurança, e dizia que a cidade de Camaçari, era hoje melhor em termos de segurança, inclusive o próprio delegado afirmava estava morando com sua família na cidade.

Tudo aconteceu ao vivo e sendo transmitido e narrado pelos apresentadores do programa de Olho na cidade.

O apresentador Marco Antonio, vem chamando a quatro anos, atenção das autoridades sobre a insegurança de quem vive em Camaçari. A comunidade sabe e vive esse problema.

A rádio Lider Fm, fala todos os dias no programa "De Olho da Cidade" sobre as ocorrências na cidade. Infelizmente chegou a este ponto do próprio delegado da cidade ser assassinado.

Nós da rádio líder Fm, sabemos do trabalho dessa instituição, desses profissionais, que muitas vezes arriscam a vida para proteger a população.
PRATO CHEIO PARA SENSACIONALISTAS DE PLANTÃO...

terça-feira, 18 de maio de 2010

Conselho


Não interessa como foi a farra...
Volte pra casa sempre de cabeça erguida !!!

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Uma filosofia de vida...


Harold deverá ser uma inspiração a todos.


"Muitas pessoas me perguntam: ‘O que os velhos fazem quando se aposentam?’
-Bem, eu tenho sorte de ter uma formação em engenharia química, e uma das coisas que eu mais gosto é transformar cerveja, vinho e outras bebidas alcoólicas em urina."

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Comparação


O passageiro vê a linda aeromoça, toda sexy, e pergunta:
- Qual o seu nome ?

A aeromoça responde:
- Mercedes, Senhor!

O passageiro:
- O sobrenome, por acaso, é Benz?

Com aquele sorriso maravilhoso ela responde:
- Exatamente, Senhor!

E o passageiro novamente:
- Lindo nome. Alguma relação com o carro?

E a aeromoça com o mesmo sorriso nota 10:
- O mesmo preço, Senhor !!!

sábado, 1 de maio de 2010

Extra! Extra! Pérolas do Enem 2010

O tema da redação do Enem 2009 foi Aquecimento Global, e como acontece todo ano, não faltaram preciosidades. Lá vão. Todas comentadas:

1) "O problema da amazônia tem uma percussão mundial. Várias Ongs já se estalaram na floresta." (percussão e estalos. Vai ficar animado o negócio)
2) "A amazônia é explorada de forma piedosa." (boa)
3) "Vamos nos unir juntos de mãos dadas para salvar planeta." (tamo junto nessa, companheiro. Mais juntos, impossível)
4) "A floresta tá ali paradinha no lugar dela e vem o homem e créu." (e na velocidade 10!)
5) "Tem que destruir os destruidores por que o destruimento destrói a floresta." (pra deixar bem claro o tamanho da destruição)
6) "O grande excesso de desmatamento exagerado é a causa da devastação." (pleonasmo é a lei)
7) "Espero que o desmatamento seja instinto." (selvagem)
8) "A floresta está cheia de animais já extintos. Tem que parar de desmatar para que os animais que estão extintos possam se reproduzirem e aumentarem seu número respirando um ar mais limpo." (o verdadeiro milagre da vida)
9) "A emoção de poluentes atmosféricos aquece a floresta." (também fiquei emocionado com essa)
10) "Tem empresas que contribui para a realização de árvores renováveis." (todo mundo na vida tem que ter um filho, escrever um livro, e realizar uma árvore renovável)
11) "Animais ficam sem comida e sem dormida por causa das queimadas." (esqueceu que também ficam sem o home theater e os dvd's da coleção do Chaves)
12) "Precisamos de oxigênio para nossa vida eterna." (amém)
13) "Os desmatadores cortam árvores naturais da natureza." (e as renováveis?)
14) "A principal vítima do desmatamento é a vida ecológica." (deve ser culpa da morte ecológica)
15) "A amazônia tem valor ambiental ilastimável." (ignorem, por favor)
16) "Explorar sem atingir árvores sedentárias." (peguem só as que estiverem fazendo caminhadas e flexões)
17) "Os estrangeiros já demonstraram diversas fezes enteresse pela Amazônia." (o quê?)
18) "Paremos e reflitemos." (beleza)
19) "A floresta amazônica não pode ser destruída por pessoas não autorizadas." (onde está o Guarda Belo nessas horas?)
20) "Retirada claudestina de árvores." (misericórdia!!!!)
21) "Temos que criar leis legais contra isso." (bacana)
22) "A camada de ozonel." (Chris O'Zonnell?)
23) "a amazônia está sendo devastada por pessoas que não tem senso de humor." (a solução é colocar lá o pessoal da Zorra Total pra cortar árvores)
24) "A cada hora, muitas árvores são derrubadas por mãos poluídas, sem coração." (para fabricar o papel que ele fica escrevendo asneiras)
25) "A amazônia está sofrendo um grande, enorme e profundíssimo desmatamento devastador, intenso e imperdoável." (campeão da categoria "maior enchedor de lingüiça")
26) "Vamos gritar não à devastação e sim à reflorestação." (NÃO!)
27) "Uma vez que se paga uma punição xis, se ganha depois vários xises." (gênio da matemática)
28) "A natureza está cobrando uma atitude mais energética dos governantes." (red bull neles - dizem as árvores)
29) "O povo amazônico está sendo usado como bote expiatório" (ótima)
30) "O aumento da temperatura na terra está cada vez mais aumentando." (subindo!)
31) "Na floresta amazônica tem muitos animais: passarinhos, leões, ursos, etc." (deve ser a globalização)
32) "Convivemos com a merchendagem e a politicagem." (gzus)
33) "Na cama dos deputados foram votadas muitas leis." (imaginem as que foram votadas no banheiro deles)
34) "Os dismatamentos é a fonte de inlegalidade e distruição da froresta amazonia." (oh god)
35) "O que vamos deixar para nossos antecedentes?" (dicionários)

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Escola Internacional de Goiânia expõe benefícios da robótica no currículo regular


Desde 2007, a Escola Internacional de Goiânia aposta na tecnologia como forma de desenvolvimento social, raciocínio e trabalho em equipe para os alunos a partir de seis anos de idade. Esse avanço se deu com a implantação das aulas de robótica, que são ministrada do primeiro ao oitavo ano (fundamental 1 e fundamental 2), estudando os princípios e os avanços da robótica.

Lego Education
Dos seis aos oito anos, os alunos recebem uma mesma ‘maleta’ contendo as peças que eles usarão nos projetos. São peças básicas de robótica, como vigas, eixos, engrenagens, polias e blocos. Em cada aula é desenvolvido um projeto diferente e a cada mês é utilizada uma revista de educação tecnológica, publicado pela Lego Education. A revista contém projetos que serão executados pelas crianças, sempre contextualizados com outras matérias. “Um bom exemplo é o projeto de construção de uma máquina de reciclagem. O trabalho acaba sendo um complemento e tanto para as aulas de ciências, que estuda a questão ambiental, entre outros assuntos”, explica Fernando Rassi Nader, diretor da Escola Internacional de Goiânia.

As aulas começam em sala, por meio de uma discussão iniciada pela professora sobre certo assunto. A partir daí, cria-se uma curiosidade nos alunos, que são encaminhados para o laboratório de robótica, onde os projetos são desenvolvidos, com a orientação do professor.

Criando robôs
Até os oito anos de idade, os alunos utilizam as peças básicas. A partir dos nove, as peças motorizadas são inseridas. É quando os alunos conhecem o motor. “Começa aí uma curiosidade maior e o aumento do interesse. A partir dos 11 anos de idade, os alunos passam a desenvolver programas no computador, inclusive a criação de robôs que resolvem problemas e adquirem missões que são programadas pelas crianças, por meio de projetos orientados ou mesmo criados pelos próprios alunos”, informa Nader.

Em todas as idades, um dos grandes objetivos é trabalhar os conceitos tecnológicos. “É quando a criança começa a compreender o funcionamento das coisas. Por exemplo, o que faz um elevador subir e descer? Como funciona o motor de um carro? Assim, através da robótica, você já começa a inserir na rotina dos alunos princípios da física relacionados à mecânica, à eletrônica, entre outros”, diz o diretor.

De acordo com Fernando, o intuito da Escola em ensinar a robótica vai além de fazer com que os alunos tenham uma melhor formação científica. “Com esse trabalho desenvolvemos também a sociabilidade, o trabalho em equipe, o aumento da reflexão e da autonomia podendo, inclusive, aumentar a segurança no que se faz”. Nader explica que essa segurança é justamente o que faz uma criança crescer sabendo tomar suas próprias decisões. “E decisões certas!”, acrescenta. A robótica ainda desenvolve a organização, a coordenação motora e a interpretação.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Festa da Persiflex na Morar Mais 2010


Persiflex aposta no talento goiano

A Persiflex Persianas e Cortinas e a Solaris Toldos promovem noite de confraternização para arquitetos, decoradores, designers e imprensa, nesta quinta-feira, dia 29 de abril, no Espaço Persiflex da Morar Mais por Menos. O evento é um reconhecimento do trabalho que os profissionais goianos desenvolveram este ano na mostra. As duas empresas goianas, patrocinadoras da Morar Mais, apostam nos talentos e acreditam que o público merece conhecer de perto o que há de melhor no mercado de cortinas, persianas e toldos. “É por acreditar nesses profissionais e no conceito da mostra que estamos junto com a organização da Morar Mais por Menos 2010. O ideal do evento, de apresentar espaços criados a partir dos conceitos da sustentabilidade, sofisticação, brasilidade e com o melhor custo-benefício, é outro fator que nos fez ter a certeza de que firmamos uma parceria de sucesso”, explica o empresário Luiz Sérgio Marques, da Parsiflex.

Os produtos Persiflex e Solaris estão presentes em 23 dos 34 ambientes da Morar Mais 2010. São cortinas, persianas e toldos que oferecem o que há de melhor em termos de matéria-prima, design, estilo, acabamento e mecanismos de acionamento. E o que é interessante, tudo isso respeitando o meio-ambiente. São peças que seguem as últimas tendências mundiais e que atendem perfeitamente tanto aos mais simples, quanto aos mais exigentes projetos decorativos.

A Morar Mais por Menos 2010 resgatou seu conceito inicial de mostrar que é possível ter acesso à qualidade, beleza e sustentabilidade sem gastar muito. “Esta também é a visão da Persiflex, que usa matérias-primas inovadoras que aliam a sofisticação à uma tendência ecológica necessária nos dias de hoje”, diz Marques.

A Persiflex é uma empresa goiana, com 22 anos de atuação no mercado nacional que acredita na criatividade ilimitada do profissional goiano. “Não podíamos deixar de lado a oportunidade de estar mais próximos dos profissionais, dos clientes e do que há de mais arrojado em termos de arquitetura, decoração, design e paisagismo”, finaliza o empresário.

domingo, 25 de abril de 2010

Enfim, alguém pensou!


Designer cria fechadura que ajuda ‘beberrões’

Usando um sistema parecido com o de um funil, novo design facilita a localização do buraco da chave mesmo no escuro

Para quem está acostumado a chegar muito tarde em casa depois de um cansativo dia de trabalho, ou para os festeiros que frequentemente demoram um pouco mais para encontrar o buraco da fechadura, um designer desenvolveu um sistema que parece ser a solução para acertar a chave com mais facilidade.

De acordo com o site Yanko Design, Junjie Zhang inventou uma fechadura batizada de V Lock (Fechadura em V), que utiliza um sistema parecido com o de um funil. O design apresenta uma abertura maior que dá acesso ao buraco da chave. Assim, o morador tanto pode introduzir a chave na fechadura normalmente, quanto posicioná-la na abertura maior e apenas escorregar para a posição correta. Com um acesso mais largo, fica mais fácil abrir a porta sem precisar ‘acerta no alvo’.

Como a grande queixa dos moradores que bebem um pouco além da conta é sempre acertar o buraco da fechadura, o design pode ser uma 'invenção' abençoada. Por enquanto, a fechadura que ajuda os ‘beberrões’ ainda é um protótipo e não está à venda.

Do site Época Negócios.

Ja pensou? Quando isso começar a ser vendido, vai ter fila.

sábado, 24 de abril de 2010

Resultado do campeonato deste sábado: 3 X 0!

Minha empregada é PhD em quebrar copos. Acho que ela fez curso de extensão, mestrado e doutorado no assunto. Ultimamente, ela tem feito campeonato do tipo "Que copo vamos quebrar desta vez?"

Hoje, o placar, até agora, está 3 x 0 pra empregada.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Em nova fase, Versato inaugura franquia Portofino Portoro e apresenta showroom Roca

A Versato Acabamentos traz para Goiânia traz a Portofino Portoro, uma empresa paulista especializada em acabamentos sofisticados, diferenciados e exclusivos. As linhas de materiais são cuidadosamente escolhidas para atender os mais diferentes estilos e gostos. “Nossa preocupação em oferecer o que existe de melhor nos transformou em Portofino Portoro por Versato”, explica empresária Márcia Simonsen, que inaugura a nova fase da Versato no próximo dia 29. “Nossa filosofia é sentir as necessidades de cada cliente e enxergar cada projeto de arquitetura como um sonho”, completa.

Showroom Roca: da Espanha para o Brasil,
o melhor da cerâmica mundial.

No mesmo evento em que a Versato incorpora a Portofino Portoro, será apresentado ainda o showroom Roca, grupo espanhol com 90 anos de tradição e líder mundial em produtos para banheiros, com fábricas em quatro continentes e presença comercial em 80 países. A Roca atua em duas unidades de negócios: revestimentos cerâmicos e louças sanitárias e metais. A presença global faz com que a marca Roca esteja permanentemente conectada às tendências mundiais e aos diferentes estilos de vida. Mais do que soluções, a marca Roca oferece ousadia, amplia a capacidade criativa das composições, expressando a personalidade de cada projeto.


Também no dia 29 de abril, com coquetel em ritmo espanhol, será apresentada a ampliação do showroom Versato, com o Espaço do Pátio (espaço junto ao café com cobertura de vidro, onde serão apresentados novos produtos trazidos pela franquia Portofino Portoro) e o Deck com Spa (junto ao jardim, sendo o deck em cimentício que imita madeira além do Spa, linha zen com hidroterapia e shiatsu).

Versato na Casa Cor 2010

Entre as muitas empresas que se fazem presente na Casa Gor Goiás 2010, a Versato Acabamentos é uma das que mais se destacam. A loja vai assentar na mostra 1.100 metros quadrados de revestimentos em diversos ambientes. Tudo o que for novidade em acabamento poderá ser conferido nos ambientes by Versato.

Serviço
Evento: Versato faz coquetel de Inauguração da franquia Portofino Portoro e apresentação do novo showroom Roca
Data: 29 de abril de 2010, às 19h30
Endereço: Versato Acabamentos: Rua 146, nº 379, Setor MaristaFones: 3945.0075 / 9119.1450

domingo, 18 de abril de 2010

Estou na Europa, ilhado, com vulcão...

Estou vivendo um momento único da história: estou passando - e sou personagem - do que é considerada a maior tragédia mundial!
Estou na Itália, numa cidadezinha chamada Casserate, e sem jeito de sair daqui.
Estamos aguardando algo acontecer: a nuvem de fumaça que vem do vulcão da Islândia, um maremoto - que pode vir a acontecer a qualquer momento... Mas se o vulcão explodir, terei de ficar um bom tempo na Europa.
Eu queria morar aqui, mas não desse jeito... O dia que eu voltar ao Brasil vou bater os joelhos no chão. Não estou com medo, mas um certo pavor toma conta de todos nós.
Gente, parece Armagedom!!!

sábado, 10 de abril de 2010

Viagem


Tô indo...

Rumo ao Velho Mundo.

Por um tempo - acho, e espero! - anacessível!

Até a volta...

segunda-feira, 5 de abril de 2010

domingo, 4 de abril de 2010

Inclusão!

.::: :. ::. ::::... . :... ::...:
..:.. ::.::.. .:: .::: .....:.:::
.:.:.:::... ...::.::.: .::::.:::

É braile, gente!

sábado, 3 de abril de 2010

Viola e microfone

O cantor segunda voz de uma dupla sertaneja é igual ao trema. Hoje em dia se tirar ninguém sente diferença!

terça-feira, 30 de março de 2010

Recado ao cidadão de Nova Veneza

Pois bem... 2010 é ano eleitoral. Único momento em que o cidadão é lembrado de fato. Isso porque tem em mãos uma excelente moeda de troca: o voto! A maior arma que existe na democracia e também a maior causa de brigas e descontroles entre os envolvidos. É assim no mundo inteiro, a ânsia pelo poder! Aliás, o poder é uma das formas mais certas de se testar caráter. Um dos políticos mais poderosos do mundo contemporâneo, Abraham Lincoln, o 16º presidente dos Estados Unidos, disse uma vez: “Se queres testar o caráter de um homem, dê a ele poder”. Nada mais certo. Nada mais inteligente. É nessa premissa que podemos nos basear na hora de usar a nossa maior arma, na hora de escolher aquele que vai receber o poder que estamos entregando, na hora solitária do voto!

Poder estabelecido é hora de prestar atenção no caráter de quem o recebeu. Se for uma pessoa digna dele, principalmente na vida pública, vai usá-lo de forma a defender os direitos do cidadão, de trazer os benefícios necessários para sua cidade e seu Estado, com a luta incansável para a qual foi eleito. A pessoa digna do poder tem o carisma e a força moral para pedir e, na maioria das vezes, sempre consegue. Quando não, procura alternativas para resolver os problemas sem causar outros. Isso é poder com caráter! E nós, os verdadeiros responsáveis por garantir esse poder a alguém, também temos a obrigação de cobrar, de exigir, na verdade, pois somos nós, os eleitores, os ‘patrões’ dos eleitos. Somos nós que pagamos os salários dos poderosos. Dos com e dos sem caráter.

Essa introdução foi para lembrar dois fatos lamentáveis. Dois fatos até deprimentes de dois poderes diferentes: um estadual e outro municipal. O primeiro afeta mais do que a população de um município de raízes italianas, com uma cultura arraigada e um povo acolhedor. Nova Veneza, que fica apenas a 29 quilômetros da capital goiana, está quase ilhada. O percurso que antes era feito em apenas 20 minutos, quase triplicou por causa das péssimas condições de tráfego em um trecho que não ultrapassa 15 quilômetro. Só 15 quilômetros! Em alguns pontos, a estrada não tem mais capa asfáltica e os buracos dão o tom no balé perigoso que os carros têm de fazer para não ter um prejuízo maior com o veículo. É de irritar! E o pior é que os impostos são pagos por todos que passam ali. Pergunto: o que é feito do dinheiro – que não é pouco! – do IPVA? Isso sem falar nas multas! Por que ele não é usado para colocar nossas estradas ao menos dignas de trânsito? Ano passado, a Agetop, órgão responsável pela recuperação das estradas estaduais, abocanhou o maior montante dCor do textoo orçamento do Estado. Junto com a Seinfra teve 320 milhões de reais! É de se indignar.

Se o Estado não consegue – ou não quer – usar o dinheiro do nosso caríssimo IPVA em prol das nossas estradas, por que não privatizá-las e diminuir o preço do imposto? O cidadão prefere pagar um pouco e ver os resultados do que pagar um absurdo e viver na revolta e na indignação. Nas estradas onde o pedágio é explorado por empresas privadas, como em São Paulo, por exemplo, a situação é totalmente diferente. É como se andássemos em um tapete.

O segundo fato, já mencionado em outra ocasião, é a cobrança da taxa para os estudantes de Nova Veneza que usam o transporte estudantil da prefeitura. São R$ 50 mensais por estudante. Na época em que foi aprovada pela Câmara Municipal, o prefeito da cidade disse que era uma forma de compensar as perdas do Fundo de Participação dos Municípios, o FPM. Mas R$ 50 por estudante não faz muita diferença no orçamento de um município. Novamente tenho que lembrar que o que faz um político de excelência, que une poder e caráter, é saber resolver os problemas sem criar outros. E explorar renda através da educação é a pior forma de sanar problemas orçamentários. Isso não contribui com os cofres públicos, mas desmonta o orçamento de muitas famílias humildes, que têm na educação de seus filhos a esperança de um futuro melhor. Dia desses tinha até fiscal dentro do ônibus para que ninguém embarcasse sem pagar! Atrasou o pagamento, não embarca. Não embarcou, perde aula. Perdeu aula, a educação se compromete! E educação é outra arma poderosíssima contra a ignorância e o poder sem caráter.
ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL DIÁRIO DA MANHÃ DO DIA 30/03 (TERÇA-FEIRA)
PÁGINA 9

sexta-feira, 26 de março de 2010

Reflexão e ação

Hoje você não pode ser apenas famoso.
Você tem que ser famoso e polêmico!

quinta-feira, 25 de março de 2010

Mea culpa tardia

Não seria o momento para um novo conclave?

Pedir desculpas é muito fácil!

Isso me lembra as histórias dos Cardeais e dos Papas da Idade Média!

Uma imagem vale mais que mil palavras


Só para que ninguém se esqueça, já que o brasileiro tem memória curta!

segunda-feira, 22 de março de 2010

Da casa mais vigiada do Brasil para outra também vigiada da Bahia


O pedido de exoneração da BBB Anamara da Polícia Militar da Bahia foi entregue no dia 29 de janeiro por sua procuradora, Amanda Monteiro.


Anamara deveria retornar das férias para o trabalho no dia 02 de fevereiro. Sem a exoneração, ela seria considerada desertora e poderia ser presa por até dois anos.

Com o pedido de exoneração, Anamara não pode ser considerada desertora. "É como se ela tivesse pedido demissão", explicou Amanda.

Mas não é bem assim. O Código Penal Militar é cristalino em seu artigo 188, ao afirmar que incorre no CRIME de deserção "o militar que não se apresentar no lugar designado, dentro de oito dias, findo o prazo de trânsito ou FÉRIAS." A pena é de detenção, de seis meses a dois anos.


É simples: após as férias, a apresentação da militar é OBRIGATÓRIA. De corpo presente. Sem isso, o Comando da PM baiana não poderá nem mesmo analisar o pedido, quanto mais conceder o licenciamento.


Assim, se Maroca permanecer na casa por mais de oito dias, será, sim, considerada DESERTORA. É a lei.


A não ser que, para não ser espinafrada pela Globo, a PM da Bahia ache um "jeitinho" de acomodar a situação.

Resumindo: Anamara é desertora, será presa e processada!


Será?

Diário de bordo, sem estar a bordo!


Desde quinta-feira que meu corpo pede socorro. Calor, calor e mais calor. Vou sobreviver, sei disso! Mas hoje pela manhã, quando acordei, senti o cheiro do café e abri a janela percebi que vale a pena - aliás, tudo vale com a aquela história da alma! - passar por sensações diferentes.

Então: Em Vitória (ES) céu super claro, sem nuvens. Temperatura 36 graus em elevação. Umidade relativa do ar chegando a 90% - quase afogamos ao respirar! Chuva? Nem sinal. Dia propício para um passeio na orla e uma cerveja gelada no fim da tarde.

Como não sou egoísta, compartilho a vista da janela do quarto.

Até a volta.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Boa vontade que dá e passa


Depois de passada a comoção com o terremoto que devastou o país mais pobre das Américas, poucas ações ainda são desenvolvidas em prol dos haitianos. Por determinação do Governo Federal Brasileiro, todas as remessas de mantimentos ao Haiti foram suspensas. Chamou-se de “problemas de lojística”!

De que adianta tanta movimentação, tanto empenho de um povo que quer ajudar, se a ajuda não chega ao destino?

Em Goiás, 110 tonaledas de alimentos, roupas, calçados e remédios arrecadadas foram repassadas à Organização das Voluntárias de Goiás (OVG), que fará a distribuição para instituições da Capital.

quarta-feira, 3 de março de 2010

Reincidente e fugitiva

A Polícia ne Nova Iorque está à procura da modelo Naomi Campbell, que teria agredido o motorista do carro em que estava. jornal.

De acordo com o diário Daily News, a modelo britânica, de 39 anos, estava no banco de trás do carro quando agrediu o motorista, que, após ver que a passageira fugia, parou e chamou a Polícia.

"A última vez que foi vista foi quando saiu correndo da cena da agressão", conta o jornal, que assegurou que Naomi se enfureceu com o motorista, de 27 anos, e começou a agredi-lo até que ele se viu obrigado a parar o carro na Segunda Avenida, em Manhattan.

Se confirmada a agressão, não será a primeira vez que a modelo se envolve com a Polícia.
Em 2006, teve que fazer serviço comunitário durante cinco dias por jogar o telefone celular numa ex-empregada.

Dois anos depois, foi condenada na Inglaterra a prestar 200 horas de serviço comunitário por agredir dois policiais no aeroporto de Heathrow, em Londres.

Em outro caso parecido, a modelo conseguiu um acordo judicial, em 2009, com uma ex-empregada doméstica que a acusava de agressão e maus tratos entre 2005 e 2006.

Nervosinha, a moça, heim?

ig.com.br

terça-feira, 2 de março de 2010

Isso é o que eu chamo de cobra engolindo cobra


Cobra se confunde e engole o próprio rabo na Inglaterra

Uma clínica veterinária do condado de Sussex, no sul da Grã-Bretanha, teve que resolver um caso curioso: o de uma cobra de estimação que tentou engolir o próprio rabo. O incidente envolveu uma cobra da espécie Lapropeltis getulus, conhecida como cobra real californiana.


O dono dela notou que o réptil tentava engolir o próprio rabo e a levou à clínica veterinária Seers Croft. Lá, o veterinário Rob Reynolds teve que deslocar a mandíbula para liberar o rabo do réptil da sua própria mordida.


De acordo com informações da clínica, cobras em geral são carnívoras, mas estas em particular, além de se alimentarem de ratos e de pequenos mamíferos, também comem lagartos e outras cobras. No entanto, Rob Reynolds afirmou que nunca viu um caso no qual um animal não conseguia se libertar da própria mordida, apesar de este ser um fenômeno já conhecido.


Do site BBC Brasil

segunda-feira, 1 de março de 2010

Reflexivo

O mal retorna nas mesmas proporções em que foi praticado!

E não demora...

pense nisso!

sábado, 27 de fevereiro de 2010

O dinheiro e a personalidade humana


Um rapaz entrou numa agência bancária, dirigiu-se ao caixa e disse à moça:

- Eu quero abrir uma porra de uma conta nessa merda desse banco.

A moça do caixa, totalmente atônita, respondeu:

- O senhor me perdoe, mas eu acho que não entendi direito. O que o senhor disse? Poderia repetir, por favor ?

- Vê se ouve dessa vez, caralho! Eu disse que quero abrir uma porra de uma conta nessa merda de banco!

Ela pediu licença e dirigiu-se ao gerente para informá-lo da situação francamente desagradável. Ele concordou que ela não era obrigada a ouvir palavreado tão chulo. O gerente se dirigiu, junto com ela, ao caixa e falou:

- Senhor, o que está ocorrendo? Algum problema?

- Não tem merda de problema nenhum, porra! Eu acabei de ganhar R$ 97 milhões na MegaSena e quero abrir uma porra de uma conta nessa merda de banco, caralho!

Responde o gerente...

- Sei, sei, entendo... E essa puta está dificultando??!!

Artistas goianos dançam em Nova York


Os 22 jovens artistas do Corpo de Baile do Mvsika! foram selecionados para participarem, no período de 21 a 27 de Março, do Youth America Grand Prix 2010, em Nova York, no Skirball Center for the Performing Arts, na New York University e no New York City Center, que reunirá os melhores e mais promissores bailarinos do mundo inteiro, com idades entre nove e 19 anos.

As apresentações no importante evento internacional significam a oportunidade dos estudantes de dança se profissionalizarem, obtendo bolsas de estudos, ou estágios, em grandes Companhias de Dança da Europa e Estados Unidos. “Estamos com muita expectativa com a solista e o grupo que está muito bem tecnicamente”, comemora a diretora do Mvsika! a arte-educadora Delmari Rossi.

O evento também proporciona aos bailarinos a vivência de uma experiência inesquecível, assistirem performances, fazerem workshops, conhecerem artistas de todas as idades e regiões do mundo e de se apresentarem para críticos e platéia especializada.

Para chegarem a este palco privilegiado os bailarinos do Mvsika! se destacaram na Seletiva Brasil para o Youth America Grand Prix/NY que foi realizada em Setembro de 2009, em Indaiatuba, São Paulo, concorrendo com dezenas de grupos de várias regiões do país.

O júri que escolheu os bailarinos que vão representar o Brasil reuniu nomes importantes da cena internacional, uma comissão integrada por Tadeuzs Matasz, da John Cranko School, de Stuttgart Ballet (Alemanha), Tara Mitton Catao, do The Harid Conservatory (USA) e Tatiana Leskova, do Rio de Janeiro.

A participação do Mvsika! consistirá na apresentação de três coreografias criadas pela bailarina, professora de dança e coordenadora do Corpo de Baile do Mvsika!, Hérika Crosara.

O Corpo de Baile do Mvsika! é o único grupo representante do Centro-Oeste do Brasil e, na modalidade Conjuntos, vai apresentar a coreografia denominada “Resgate” que, segundo a coreógrafa, ressalta a necessidade e a importância do afeto, dos sentimentos e também a beleza das diferenças individuais.

O trabalho foi premiado com o primeiro lugar no FestDança, em Goiânia, em 2009 . A música é do filme O Curioso Caso de Benjamim Button.

A solista Marianna Lovi, de 18 anos, participa pela segunda vez do YAGP. Ela vai interpretar a coreografia “Esmeralda”, solo clássico de repertório com o qual recebeu o primeiro lugar no FestDança de Goiânia, em 2008, e o solo de neoclássico denominado “Sozinha”, especialmente desenvolvido para o evento internacional.

Hérika Crosara responsável pela adaptação e remontagem de “Esmeralda” lembra que se trata de uma coreografia com grande dificuldade na apresentação da personagem, uma cigana forte e sensual.

Quanto ao solo “Sozinha”, explica que por ser um neoclássico, a modalidade tem a característica oferecer mais possibilidades e liberdade de criação. A performance retrata o sofrimento pela solidão “de uma forma bem expressiva, impactante, com a música do filme Pearl Harbor”, explica.

Bastidores e Processo de Criação

Hérika Crosara tem 25 anos de idade e está a frente do Corpo de Baile do Mvsika! há seis anos. Ela imprime um ritmo intenso de trabalho, ensaios e estudo ao grupo que há um ano está se preparando especialmente para o YAGP 2010.
São em média três horas por dia de ensaios, inclusive aos Domingos e feriados. Satisfeita com o nível das performances que está sendo alcançado, a professora de dança lembra que os bailarinos estão focados, aperfeiçoando a técnica e considera o resultado “gritante”.
Hérika Crosara iniciou na dança aos sete anos de idade e leciona desde os 17. Ela assina as coreografias que serão apresentadas em Nova York que foram desenvolvidas em um processo de criação “muito particular, que surge espontaneamente, às vezes no meio da noite. Depois exponho o pensamento que é complementado e enfatizado pelo movimento”, sintetiza.
A coreógrafa gosta de interagir com os bailarinos, compartilhar a experiência criativa com eles para que suas propostas e idéias para se identifiquem mais com os movimentos e a performance fique mais natural, “mais transparente”, conclui.

Vídeos das Coreografias que serão apresentadas em NY:
Corpo de Baile do Mvsika! Conjunto – Senior – Coreografia Resgate
http://www.youtube.com/watch?v=8RKhx8tuQcc

Marianna Lovi, 18 - Solista – Coreografia Esmeralda -
http://www.youtube.com/watch?v=fI6CQKikVew

Marianna Lovi, 18 – Solista – Coreografia Solidão
http://www.youtube.com/watch?v=1PK3nkbB8ns

Bailarinos do Corpo de Baile do Mvsika! que dançarão em NY

1 - Jader Chaves
2 - Paulo Mialichi
3 - Aline Carili
4 - Marianna Lovi
5 - Nayara Matos
6 - Tuany Ribeiro
7 - Victória Coelho
8 - Julyana Assis
9 - Nayara Fraga
10 -Isabela Gouveia
11 -Andressa Leodorico
12 -Mariana Roriz
13 -Jéssika Tatico
14 - Taíssa Santos
15 - Geórgia Sousa
16 - Natália Diamante
17 - Renata Andrade
18 - Fernanda Ramalho
19 - Bruna Landeiro
20 - Marcella Landeiro
21 - Camila Carvalho
22 - Cristiane Oliveira

Contatos para entrevistas
Delmari Rossi - 3214 1800 / 3223 1406/ 9971 6812
Hérika Crosara - 3210 7296 / 8151 8919
Horários dos ensaios abertos aos jornalistas e radialistas:
Segunda, Quarta, Sexta – a partir das 17h
Sábado, Domingo e Feriados – Nestes dias os horários não são pré-estabelecidos, por
favor, verifique com os contatos

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Repelente para o Aedes Aegypti


1/2 litro de álcool;
1 pacote de cravo da Índia (10 gramas);
1 vidro de óleo corporal (100 ml)

a) Deixe o cravo curtindo no álcool por 4 dias agitando cedo e à tarde. Depois coloque o óleo corporal (pode ser de bebê, de amêndoas, camomila, erva-doce, aloe vera...).

b) Passe só uma gota no braço e pernas e o mosquito foge do cômodo onde você estiver! O repelente evita que o mosquito sugue o sangue e, assim, ele não consegue maturar seus os ovos.

Resultado: diminui a proliferação.

Dizem que funciona. E se a dengue tá matando, não custa tentar!

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Presentão

Ganhei quatro afilhados bebês. Ainda não os conheço, mas já os adotei. E não fui atrás. Vieram até mim, não sei como!

Aguardem os próximos capítulos.

Tô feliz pacas!

Escola Internacional de Goiânia investe no Xadrez como estímulo


Ainda pouco difundido nas escolas brasileiras, o Xadrez passou a integrar a grade curricular da Escola Internacional de Goiânia. Desde o ano passado, quando as aulas começaram como atividade opcional para alunos a partir de seis anos de idade, dos períodos integral e semi integral, o jogo começou a ganhar cada vez mais espaço e adeptos. Com os resultados positivos e a visível melhora no comportamento dos alunos, a escola adotou o Xadrez em período regular. Agora, uma vez por semana, todas as salas do ensino fundamental, a partir dos seis anos de idade, têm aulas de Xadrez. São 50 minutos por turma.

De acordo com a pedagoga Jeanette Aller, diretora pedagógica da Escola Internacional de Goiânia, no início os alunos acreditavam que as peças eram brinquedos aleatórios. “Pouco a pouco eles foram se acostumando e o comportamento começou a mudar. A concentração fluiu”, relembra. Primeiro eles se familiarizaram com a história do Xadrez, com as peças e com o tabuleiro. Depois começaram a praticar, tendo sempre um professor ao lado para quaisquer dúvidas que pudessem surgir. Em dois meses a maioria dos alunos já estava jogando.

Hoje 40 alunos da escola já estão totalmente familiarizados e adaptados ao jogo. O relógio que marca o tempo de cada ato do jogador já não é mais problema e as jogadas já são parecidas com as de profissionais. Este ano, cerca de 30 alunos deverão participar do Campeonato Goiano de Xadrez, ainda sem data definida para ser realizado.

Benefícios


Já está comprovado que o jogo de xadrez contribui, principalmente, em três aspectos: concentração, planejamento e competitividade. A superação é outro ponto importante que não pode ser esquecido. “Não é fácil perder, principalmente quando somos crianças. Mas a vida é feita de perdas e ganhos. O Xadrez ensina a criança a superar essas perdas. Com isso, ela também acaba se superando”, diz Jeanette.

Depois da implantação do xadrez na Escola Internacional de Goiânia, as atividades que requerem maior concentração especialmente as de habilidades que requerem lógica e matemática se beneficiam. Os pais também notaram isso. “Nós percebemos que a caçula, de seis anos, uma melhora visível no que se refere à organização. Ela ficou mais aprimorada. Jogando Xadrez com adultos, ela se concentra com muito mais facilidade”, informa Alexandre Moreira, pai de dois alunos que já são adeptos do Xadrez na Escola Internacional de Goiânia.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Amargura pura


Escrito na porta do banheiro de um restaurante. Deve ser alguém com um coração de pedra...


"MINHAS MÁGOAS USAM BÓIAS!"

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Farsa!


O concurso de Miss Universo é armado.
Todas as vencedoras são da Terra.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Porque hoje é Carnaval!

Fui ao verdurão que fica na esquina de casa, comprar um vinho e alguns mantimentos para passar or estinho do feriado de carnaval. Na saída, fui abordado por uma mulher, visivelmente perturbada mentalemnte. Mas pacífica!

- “Moço, me dá 25 centavos!”, pediu ela balançando as duas mãos para cima e para baixo.
- “Pra que você quer 25 centavos?”, perguntei.
- “Pra interar e comprar uma latinha de cerveja”, explicou.
- “Quanto custa cada uma?”, questionei tentando me lembrar da última vez que havia comprado uma lata de cerveja.
- “Um e 25”, respondeu.
Tirei R$ 5,00 da carteira e dei à mulher.
- “Tome. Compre quatro latinhas pra curtir o carnaval”.
Os olhos dela brilharam e ela saiu toda saltitante e balançando o dinheiro pro alto, como se fosse um troféu, rumo à distribuidora de bebida ao lado.

E viva a sinceidade! E viva o carnaval!

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Quase idolatria!


Mais uma vez, Luciana – a personagem de Aline Moraes, em Viver a Vida – emocionou! Ela conseguiu fazer com que o fim de um relacionamento de anos virasse poesia! É um talento a ser respeitado.

É hora de começar a enxergar essas estrelas da nova geração. É hora de elas receberem o devido reconhecimento que as grandes estrelas têm, como Tony Ramos, Glórias Pires, Fernanda Montenegro e tantas outras que posso pecar, caso insista em escrever o nome de toda a constelação.

Se o Brasil deixa a desejar em muitos quesitos – e não são poucos! – na dramaturgia podemos nos orgulhar, sim, e mostrar que sabemos fazer isso bem feito. É tão nosso que chego a dizer – e acredito que todos também o fazem – que “sabemos fazer”. Eles sabem. E pelo orgulho de serem também brasileiros, assumimos a responsabilidade e acabamos “sabendo fazer” também, mas da forma nossa, como críticos.


E não se esqueçam: o nome dela é Aline Moraes!