segunda-feira, 14 de julho de 2008

Vou me mudar para Paris

Caí na malha fina do leão! Nem pensem que fiz alguma coisa de errado. Tenho medo, tremo nas bases só de pensar! A Receitinha (que não é de pão-de-ló, e sim, a Federal) só não acreditou que eu, por causa de uma bursite que tive no fêmur, tive de gastar um dinheirão com fisioterapia. E mais! Como eu pagava o tal “Carnê Leão” mensalmente pra facilitar, é claro que alguma coisa tinha de dar errado. E deu! Perdi justamente o DARF que a Receitinha achou de não lançar no “sistema”. Bem, tive de enfrentar o leão. Cara a cara. E creia: não é nada fácil.

Primeiro é preciso ligar e marcar um horário para dois dias depois. A senha começa com “AA”. De acordo com os funcionários completamente desatentos da Receitinha é a senha mais rápida. Pois a minha era “AA-71”. O horário de atendimento? 11h45 cravado! Minha contadora pediu para que eu chegasse mais cedo para encontrar estacionamento, que é difícil – novidade... Cheguei às 11. Sou pontual e gosto de resolver logo a situação. A senha “AA” estava no número 21. Às 11h40 a senha “AA” estava no número 46. E no 46 ficou até às 12h30. Procurei alguém que pudesse me ajudar. O problema é que o “sistema” não pode ser mudado. Ele não deixa adiantar a senha.

Voltei pra cadeira – sem falar que todo mundo é obrigado a ficar ouvindo o mesmo som toda vez que uma senha é chamada – quase tendo um infarto. Ódio mesmo. Espumando os cantos da boca. Mas... paciência! Como já estava sem almoço e decidido a resolver logo o problema, fui para uma fila no andar debaixo pegar uma senha que andasse mais rápido. Que esperança... Bem, às 13h52, 2 horas e 7 minutos depois – isso porque fiz agendamento antecipado – a senha “AA-71” foi chamada, enfim.

Nem acreditei quando cheguei à mesa do moço, que não me deixava falar, achando que eu era um total ignorante. Eu respirava para iniciar a frase e ele me atropelava. Com o restinho da paciência que tinha – sabia que iria precisar – deixei com que ele falasse tudo. Foram quase cinco minutos. Quando ele terminou eu disse que só queria saber o que fazer – eu não precisava de uma aula de contabilidade. Sou jornalista! A resposta dele foi direta. Eu teria de voltar outro dia! Pode? Não resolveu nada!!! Absolutamente nada! Reclamar? Pra quem? Só se for para o papa. Será que ele reza por nós? Enquanto isso, minha restituição foi para as cucuias. Ah! O rapaz que me atendeu disse que, para servir de consolo, quando a Receitinha liberar o dindim será todo corrigido! Aí, sim, vou poder realizar o meu sonho. Comprar minha casa de praia em Búzios e um apartamento em Paris, com vista para o Sena!

4 comentários:

Aline Leonardo disse...

AMEI!!
kkkkkk

alessandra disse...

Rimene,
vou me mudar com vc. Por conta do problema de saúde que tive, também fiz exames caríssimos e agora a Receita Federal não aceita a nota fiscal por considerar o valor alto demais. Resultado: sou sua companheira de malha fina.
Pelo jeito, o pessoal da Receita esquece que tem mais gente pra causar um rombo no nosso rico dinheirinho, afinal o sistema de saúde também é um leão na vida da gente.
Adorei o seu blog. Estarei sempre por aqui.
Beijo grande!

HISTÓRIAS DE REMY disse...

nossa, seu fêmur é caro assim, o investimento em curar uma mazela no fêmur vai te render uma casa em Búzios ou um apê em Paris?
Eu quero ter alguma coisa tite no fêmur....

Rimene Amaral disse...

ulisses, meu caro, isso é ironia!!!